Professor da UCPel registra os bastidores da Copa do Mundo 2018

Coragem de acreditar no impossível. É esse pensamento que impulsiona as aventuras do professor do curso de Jornalismo da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), Nauro Júnior. O docente embarcou para a Rússia acompanhado do parceiro, Caio Passos, e do Fusca 1968 – apelidado de Segundinho- com o desejo de ampliar as histórias da Expedição Fuscamérica e contar os bastidores da Copa do Mundo 2018. 
(Clique na imagem para ver mais fotos)
Até o momento, mais de 5 mil quilômetros já foram rodados pelo maior país do mundo. A cidade de desembarque foi São Petersburgo, logo mais, Moscou, Samara e Kazan fizeram parte do caminho percorrido. “Durante o deslocamento passamos por diversos municípios, inclusive vivenciamos a experiência de conhecer um vilarejo primitivo, onde os russos ainda se vestem como na época medieval”, relembra Nauro.
Segundo o docente, a experiência será guardada por toda a vida. “A viagem oportuniza sair da zona de conforto e adentrar em um mundo oposto ao nosso”, aponta. A dupla destaca que o Segundinho abre portas e é o responsável pela excelente recepção de russos e turistas de diferentes nacionalidades. “Estamos reaprendendo como receber os amigos em casa, pois eles abrem mão de diversas coisas para nos agradar”, conta.
Estar presente nos jogos da Seleção Brasileira não estava no roteiro da viagem, porém foram surpreendidos com ingressos presenteados por um amigo. De acordo com Nauro, a oportunidade de assistir aos jogos ficará marcada. “O fato se tornou um marco na minha própria história como brasileiro e como jornalista”, completa. 
As aventuras do professor inspiram quem está do outro lado da sala de aula. Para a acadêmica do 6° semestre do curso de Jornalismo, Victória Salomão, em cada aula Nauro estimula a curiosidade da turma e mostra que não existe abismo entre as ideias e a prática. “Ele nos ensina que basta querer e acreditar para nos tornarmos o que sonhamos”. 
Além disso, Victória destaca que a Expedição Fuscamérica confirma que a coragem demonstrada pelo docente nas aulas não é hipocrisia. “Ele nos incentiva a sermos comunicadores capazes de mudar o mundo”, diz. Sobre a atual aventura, a aluna não foi a única a comemorar a vitória do professor. “Não tenho um colega que não tenha vibrado quando viu o Segundinho chegando à Rússia”, finaliza.
Com a desclassificação da Seleção Brasileira nas quartas de final, Nauro e Caio estão de volta a Moscou. A intenção da dupla para os últimos dias de Copa é explorar a capital russa. “Conhecemos um grupo de fusqueiros de São Petersburgo que estão em Moscou. Eles irão nos levar para conhecer lugares nativos, como o rio de Moscou e o museu militar que abriga um Fusca da Segunda Guerra Mundial”, conta. O grupo reunirá ainda os fusqueiros no sábado (14) para uma tarde de despedida e homenagem à aventura da dupla brasileira.
Redação: Rafaela Rosa

foto da notícia

Deixe uma resposta